Distensão Muscular – Fisioterapia

As lesões musculares devem ser entendidas como um todo que acarreta em alterações na integridade do músculo. Temos vários tipos de lesões musculares: Contusão muscular, Dor muscular tardia, Laceração muscular, Estiramento muscular. A distensão muscular também é uma agressão ao músculo e pode acarretar danos severos e permanentes se não tradada.

A distensão muscular pode ser de dois tipos: Pode ser caracterizada como uma distensão aguda ou uma distensão crônica. Essa divisão leva em conta a intensidade do tipo de atividade que está sendo efeito e seus efeitos colaterais assim que promover a distensão. Então, a distensão aguda tem por característica afetar atividades de caráter explosivo, que necessitem de contração e distensão em um período pequeno de tempo, por exemplo: Futebol, corrida, tênis. A distensão crônica é gerada quando se forçam os tendões e músculos repetidas vezes e com uma força maior que o limiar que o músculo aguenta, é característico por exemplo de atletas que fazem muito levantamento de peso.

Os sintomas de uma distensão dependem do grau de intensidade em que foi gerado o problema e da correlação clínica prévia do paciente, por exemplo se ele já teve uma distensão muscular antes, se ele já realiza exercícios físicos para adaptação ou resistência ou até mesmo de intensidade elevada por poder estar submetido ao chamado overtrainning.

Por sua vez, a dor, o inchaço e as dificuldades de amplitude de movimento estão relacionadas ao processo inflamatório decorrente de uma distensão muscular. Cabe lembrar que uma distensão muscular pode gerar danos permanentes se não tradada da maneira correta e um profissional de fisioterapia bem capacitado pode fornecer as ferramentas corretas para a reabilitação do músculo lesionado.

O fisioterapeuta é indicado para tratar as lesões em sua área profissional por diversos métodos e trabalhar multidisciplinarmente com outras profissões para garantir a recuperação funcional do paciente. O fisioterapeuta pode fazer o fortalecimento e alongamento da cadeia ou musculo afetado. Claro que é necessário a avaliação prévia para verificar se os danos gerados não são de indicação propriamente cirúrgica. Por exemplo, existem graus de diferenciação da distensão muscular, citaremos os enquadramentos das distensões musculares aqui juntamente com uma definição de distensão muscular: A distensão muscular é caracterizada predominantemente por alongamento além do limite da fibra muscular, esforço exagerado ou dano por estresse repetitivo.

  • Grau 1: Rompimento de algumas miofibrilas, a dor é localizada e não intensa, a qual permite que o paciente ainda realiza suas funções normalmente. Ela se intensifica a medida em que o metabolismo se desacelera. 
  • Garu2: Rompimento de maior quantidade de miofibrilas. O paciente relata que sentiu um estiramento muscular, uma fisgada propriamente dita. A dor causada é tamanha que o paciente necessita parar a atividade física.
  • Grau3: Há um rompimento total do músculo. Encurtamento do ventre muscular com sucessiva inflamação e edema local. A dor é intensa e o hematoma bem visível, a lesão é palpável ao afundamento e o tratamento é cirúrgico. O fisioterapeuta aqui pode aplicar uma faixa compressiva para o alivio da dor, para estabilizar o movimento e prevenir futuras contrações de intensidade elevada. Repouso, imobilização, elevação do membro e gelo.   

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Tratamento

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *